22 Incríveis Plantas Alimentícias e Super Nutritivas que nem sabemos que se pode comer - Pra Quem Tem Estilo

Post Top Ad

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

22 Incríveis Plantas Alimentícias e Super Nutritivas que nem sabemos que se pode comer

Apesar de não notarmos, costumamos comer sempre os mesmos alimentos, o que não é só ruim para nossa saúde (pois sempre ingerimos os mesmos nutrientes), mas também para a agricultura familiar, para o bem-estar animal e para o envenenamento da terra. Mas como isso?
Na realidade, os alimentos que estamos acostumados a comer são alimentos exóticos, que vieram de outros climas e ambientes e que, portanto, não estão adaptados plenamente às condições climáticas e do solo de nosso país. Isso faz com que demandem mais cuidados e muitas vezes agrotóxicos e adubos químicos.


Enquanto isso, muitas plantas nativas do Brasil são ignoradas, mesmo quando estão presente no seu quintal ou na sua rua. Estas plantas são tão bem-adaptadas ao clima que quase não precisam de cuidados, podendo ser plantadas em qualquer quintal ou apartamento. Sem necessidade de manejo, elas ainda aportam nutrientes que são raramente encontrados nos alimentos que costumamos comer, como proteínas, por exemplo.

1. Abóbora do Mato (Melotria pendula): 

Os frutos são comestíveis tanto in natura quando em saladas ou conservas, utilizando-se do mesmo preparo para o pepino cultivado.

Abóbora do Mato (Melotria pendula):





2. Aroeira Pimenteira (Schinus terebinthifoliuns): 

Quem aprecia a pimenta rosa talvez nem imagine que ela é o fruto de uma árvore que ocorre de forma natural na Floresta com Araucária, assim como em outras formações florestais no Rio Grande do Sul. Os frutos são utilizados como condimento em diferentes receitas culinárias e o seu formato e aroma justificam seu nome comercial, uma vez que o fruto da aroeira-mansa (Schinus terebinthifolia) não é uma pimenta verdadeira.

Além do seu potencial alimentício, diferentes partes da planta vêm sendo empregadas na medicina popular, por apresentar propriedades anti-inflamatória, cicatrizante e antimicrobiana. 

Aroeira Pimenteira (Schinus terebinthifolia)



3. Beldroega Pequena (Portulaca oleracea): 

Pode ser consumida como salada, as folhas têm um sabor ligeiramente ácido e salgado e é consumido em grande parte da Europa, Oriente Médio, Ásia e México. A Portulaca oleracea é um dos ingredientes da sopa francesa soupe bonne femme.

Beldroega Pequena (Portulaca oleracea)





4. Beldroega Grande (Talinum paniculatum): 

As folhas são ricas em altos valores de proteínas, cálcio, ferro, magnésio e potássio. Muita gente ainda acha que a grande fonte de proteína vegetal é a ora-pro-nóbis (com cerca de 25%*), mas o beldroegão não fica atrás, ostentando valores de até 22%*, mas mesmo assim, negligenciado. *(valores de referência em análise em base seca)

As folhas são macias e saborosas, com poucas fibras, de textura macia e sabor refrescante. Cruas, o sabor é neutro e "vegetal", mas cozidas brevemente na água, depois temperadas com azeite perfumado com alho frito, viram um complemento fantástico para qualquer prato - seja picadinhas no macarrão, como recheio de torta, acompanhando uma carne, ou ainda dando cor na vitamina ou suco verde.





5. Bertalha Coração (Anredera cordifolia): 

Suas folhas podem ser refogadas ou usadas em saladas. Seus tubérculos aéreos são usados cozidos como batata.
Com o ora-pro-nobis tem em comum o sabor e a textura das folhas suculentas.


Bertalha Coração (Anredera cordifolia)





6. Capuchinha (Tropeoalum majus): 

 A capuchinha também é uma das flores comestíveis mais conhecidas, sendo usadas em saladas e diversos outros tipos de receitas, onde adicionam cor e sabor. As folhas também são muito apreciadas, tendo um sabor picante similar ao do agrião. Já os frutos imaturos podem ser usados para conservas, sendo um bom substituto para alcaparras. As sementes podem ser moídas e usadas como um substituto para a pimenta, uma vez que são muito picantes.

Capuchinha (Tropeoalum majus):



7. Caruru (Amaranthus viridis L.): 
Suas partes são todas comestíveis e inofensivas – inclusive suas sementes – podendo ser consumida como uma planta refogada ou misturada a outros ingredientes. Além disso, suas sementes podem ser usadas em pães integras, biscoitos e diversas outras receitas, ou ainda simplesmente torradas.

Caruru (Amaranthus viridis L.)





8. Dente de Leão (Taraxacum officinale): 
Hortaliça de sabor amargo, suas folhas são normalmente consumidas cruas, cozidas ou refogadas. Suas flores e raízes também podem ser consumidas cruas ou cozidas. Suas raízes, folhas e flores também são usadas como ingredientes na produção de algumas bebidas alcoólicas ou não alcoólicas, incluindo alguns tipos de cerveja. Torradas e moídas, as raízes podem ser usadas como um substituto do café. A planta também é usada como erva medicinal.

Caruru (Amaranthus viridis L.)



9. Hibisco (hibiscus sabdariffa):

 O hibiscus sabdariffa é também conhecido como hibiscus, rosela, groselha, umê, azedinha, vinagreira, quiabo-roxo, caruru-azedo, caruru-da-guiné e quiabo-de-angola, e possui propriedades antiespasmódica, antiinflamatório, redutora da hipertensão, antioxidante natural, diurética, laxante suave e auxiliar nas dietas de emagrecimento, além de ser usado para combater problemas respiratórios, bronquites, gripes, resfriados, gastrite e afecções da pele.
Rico em cálcio, magnésio, ferro e vitaminas A e C, o hibisco contém fitoquímicos, altos teores de antocianinas, fitosteróis, além de quantidade significativa de fibras alimentares.
Suas folhas – ricas em vitaminas, sais minerais e aminoácidos – quando estão jovens e tenras podem ser consumidas em saladas cruas; depois, um pouco mais velhas, podem ser refogadas ou adicionadas a cozidos, sopas, feijão e arroz.
Hibisco (hibiscus sabdariffa)

Hibisco (hibiscus sabdariffa)





10. Jaracatiá/Mamoeiro do Mato (Jaracatiá spinosa): 

A planta é conhecida como mamão-do-mato, jacaratiá ou jaracatiá, entre vários nomes específicos, de acordo com as diferentes regiões do país. É uma espécie da família Caricaceae, a mesma do mamão. Pertencentes ao gênero Jacaratia, existem quatro espécies de mamão-do-mato em território brasileiro, cuja distinção depende de caracteres internos das flores, que são possíveis de ser vistos somente na planta. Pelo aspecto das folhas e frutos, no entanto, há possibilidade de tratar-se da Jacaratia digitata, que ocorre na região Norte, ou Jacaratia spinosa, presente em todo o Brasil. Os frutos são comestíveis.



Jaracatiá/Mamoeiro do Mato



11. Língua de Vaca/Azedinha (Rumex acetosa):
 Folhas apreciadas na salada. Não devem ser comidas em excesso pela presença de ácido oxálico.

Língua de vaca





12. Mamãozinho/Jaracatiá (Vasconcellea quercifolia): 
Seus frutos maduros são comestíveis e do seu caule é feito o doce ralado de jaracatiá.

Jaracatiá/Mamoeiro do Mato



13. Ora Pro Nobis (Pereskia aculeata): 
Suas folhas são usadas refogadas, em sucos verdes, patês ou saladas. Suas folhas secas podem ser usadas como orégano ou como farinha. São ricas em ferro, proteínas e cálcio.

Antigamente, era conhecida como “carne dos pobres”, pois era a única fonte de proteínas da população miserável de nosso país. Fácil de cultivar, ela – sendo arbustiva – pode render alimento para o ano todo. Deve-se tomar cuidado ao colher, pois possui espinhos.

Ora Pro Nobis





14. Pepininho do Mato (Melothria cucumis): 

Seus frutos se assemelham a pepinos ou maxixes e são perfeitamente comestíveis e saborosos. São mais comuns na região amazônica.

Pepininho do Mato (Melothria cucumis):



15. Pêssego do Mato (Eugenia myrcianthes): 

Produz lindos frutos que devem ser consumidos in-natura no inicio da maturação, quando são mais crocantes. Quando maduros, os frutos podem ser utilizados para sucos, geleias, sorvetes e doces. Frutos perfumados de sabor agradável, sendo doce acidulado.

Pêssego do Mato (Eugenia myrcianthes)





16. Picão/Carrapicho (Bidens pilosa): 

Mais uma planta cujas folhas podem ser usadas em saladas. Por estar associado ao pulgão que afecta diversas culturas agrícolas, em muitos lugares do mundo, o picão é considerado infestante, desvalorizado e exterminado, em vez de aproveitado o seu imenso valor.

 Sob a forma de infusão é usada nos mais variados casos. Cólicas, tanto em adultos como em crianças, distúrbios renais e hepáticos, desinteria, tumores, úlceras, problemas de pele, pancreatite, infecções, febre, gripes e constipações, flatulência, fadiga, hemorragia pós-parto e como estimulante do leite materno, cancros, malária, nevralgias, insónia e envenenamento. Em compressas é usada igualmente em casos de problemas dentários e oftalmológicos. Sob a forma de pomada é usada em acne e infecções fúngicas de todo o género. Em tintura é aplicada na cicatrização de feridas.

picão carrapicho



17. Serralha (Sonchus oleraceus): 

Essa erva, encontrada em quase todo o mundo, é comestível e rica em vitaminas A, D e E; possui um sabor amargo e paladar que lembra o espinafre, e é usada em saladas acompanhada com um copo de vinho e cozidos; também é utilizada com fins medicinais.

Serralha (Sonchus oleraceus)





18. Serralhinha/Flor de Pincel (Emilia fosbergii Nicolson): 

Folhas podem ser usadas em saladas e sucos verdes. Seu chá é útil contra infecções urinárias. Suas flores também são comestíveis e usadas em risotos, saladas, sopas etc.



 Serralhinha/Flor de Pincel (Emilia fosbergii Nicolson)



19. Taboa (Typha domingensis): 

Os brotos e centro do caule podem ser usados como palmito. Das inflorescências (as “salsichas”) tira-se o pólen que pode ser usado como cereal e em massas de pães e bolos – pode-se comê-lo cru. Por fim, a raiz pode ser cozida e tem o mesmo teor de proteína do milho e batata. Não colha taboas por aí, pois ela absorve metais pesados da água. Certifique-se que a água próxima das taboas é potável.


 Taboa (Typha domingensis)






20. Taioba (Xanthosoma sagittifolium): 

Planta de sub-bosque, gosta de sombra e se adapta bem a sistemas agroflorestais. Suas folhas podem ser comidas refogadas. Seus tubérculos podem ser usados como mandioca ou inhame. Rica em vitaminas e minerais.

Taioba (Xanthosoma sagittifolium)



21. Transagem/Tanchagem (Plantago major):

Usam-se as folhas como salada e refogadas. É também usada como planta medicinal, como infusão no caso de ardor no estômago e cataplasma para feridas na pele, acne e picadas de inseto.

Transagem/Tanchagem (Plantago major)





22. Urtiga/Cansanção (Urtiga dioica): 

Usam-se as folhas somente refogadas, jamais cruas.

Urtiga para comer


Observação para as MULHERES GRÁVIDAS: consulte o seu médico de confiança antes de introduzir qualquer alimento novo em sua dieta.



Aproveite e leia também:


01. 14 plantas resistentes ao sol




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia também: